segunda-feira, 12 de setembro de 2011

LECI BRANDÃO


LECI BRANDÃO


   A grande sambista, primeira mulher integrante da ala de compositores da Mangueira, compositora e cantora de grandes sucessos, seria impossível este blog deixar de falar nela,na passagem de seu aniversário. Nascida no bairro de Madureira, Rio de Janeiro, Leci Brandão da Silva, antes da fama, trabalhou na TELERJ, DATAMEC e na faculdade Gama Filho. Participando de festivais desde 1968, veio a gravar o seu primeiro disco em 1975. Compositora e cantora dos problemas sociais, levando a sua música a todo o canto em defesa das comunidades e das minorias, ficou sem gravar durante cinco anos devido ao seu engajamento.Gravou vinte e três discos e hoje é deputada estadual pelo estado de São Paulo, onde defende os direitos da raça negra, a cultura popular, coisas que ela nunca deixou de cantar com paixão em suas músicas.
    Leci é exemplo para todos nós devido a sua luta por uma sociedade melhor, sem preconceitos e com igualdade. Canta em suas letras a afirmação da nossa raça negra e da mulher. Foi uma das primeiras personalidades negras que eu vi a falar sobre racismo, sobre a afirmação positiva do negro na sociedade e o papel da nossa cultura. Não seria justo deixar esse 12 de setembro passar em branco e não prestar-lhe essa homenagem.
Valeu, Leci!


A Filha da Dona Lecy

Leci Brandão

Eu sou a filha da dona Lecy
Mulher que mora no meu coração
E tudo aquilo que já construi
Foi resultado dessa criação
Se se de amor, o ensino foi seu
Se fiz sofrer... Ela não tem culpa
Esse meu jeito ela sempre entendeu
Eu sou assim e não tenho desculpa
Gostoso é seu empadão
E seu bolo de laranja
tempera direito o feijão
E na sopa, ela esbanja
Respeito pra qualquer um
As rezas pra proteger
Olhar as pessoas de frente
sem ter que temer
E se tenho educação
e se hoje estou aqui
Simplesmente porque sou a filha da dona Lecy
e se eu for a sensação
E o sucesso explodir
eu jamais vou deixar de ser filha da dona Lecy


Auto-Estima

Leci Brandão

Foi você
Que me pintou os sonhos
E em seguida a tela rasgou
Me iludiu
Fez de gato e sapato
Quem de fato a vida lhe entregou
Foi você
Que jurava mentindo
E sorrindo fingia me amar
Me feriu
De um modo profundo
E agora quer me restaurar
Nada mais dá pra fazer, você usou e abusou do meu bem-querer
Nada mais dá pra fazer, porque agora?
Nada mais dá pra fazer, você usou e abusou do meu bem-querer
Nada mais da pra fazer, pode ir embora.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postar um comentário